Este blog foi desativado em 10/03/2014. Visite o novo projeto: Como está escrito

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O jovem cristão e o sexo - parte 8 14

O jovem cristão e o sexo - parte 8

Sexo oral

Há bastante gente que têm uma visão desconfiada sobre esta forma de prazer sexual. Não a acham pura; afinal, a boca foi feita para comer e louvar a Deus, e não se deveria usá-la para fazer carinhos nos órgãos sexuais, que são impuros. Já falei sobre este assunto numa postagem anterior, e, creio, não deve haver mais dúvidas que todas as partes do corpo humano são dignas, pois Deus as fez; se assim não fosse, o corpo não seria a melhor analogia a ser usada para representar a igreja de Jesus, já que todos os crentes, de todas as épocas, fazem parte de um único corpo, sem detrimento de parte alguma (leia 1 Co 2.12 para uma melhor compreensão). Beijos e carinhos são válidos em todas as partes do corpo; depende do gosto, da vontade e da consciência de cada um. Pecado que vem da boca ou da língua não é o sexual, mas toda sorte de perversidades e maledicências que provém do mau uso dela: a boca fala do que o coração está cheio (Lc 6.45).


Sexo anal

Se o sexo oral é controverso, o anal é ainda mais. Normalmente, esta forma de prazer sexual é relacionada a sodomia. Sodomia é a prática dos moradores de Sodoma, cidade que foi inteiramente destruída por Deus por causa de sua imoralidade. Vamos analisar algumas passagens bíblicas que falam a respeito deste assunto.

1 Coríntios 1:26-27 - Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro.


Neste versículo, a expressão “mudaram o uso natural, contrário à natureza”, não se refere a como um homem e uma mulher fazem sexo, mas sim à homossexualidade, tanto feminina quanto masculina que imperava na sociedade da época. O homossexualismo é contrário à natureza, já que Deus no princípio fez macho e fêmea. Tão contrário quanto ter mais de um homem ou de uma mulher, contrário como homens ou mulheres deitando-se com animais. E a palavra “semelhantemente” deixa ainda mais claro do que se trata. Os homens, SEMELHANTEMENTE (às mulheres), deixaram o uso natural (delas) para inflamarem-se uns com os outros, homem com homem.

1 Coríntios 6:9-10 - Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.


Atentemos para a palavra “sodomitas”. A palavra no original grego é arsenokoites, é formada por duas palavras: arsen (macho) e koite (cama/leito/sexo). Traduzindo literalmente significa “macho que se deita com outro macho”. É bom declararmos bem o significado literal do que realmente Paulo quis dizer porque sodomita é o que pratica sodomia que, em vários dicionários de português, sodomia significa a prática sexo anal. A passagem denota, então, que o que estava sendo condenado não era o sexo anal, e sim o homossexualismo, não importando a forma como este é praticado.

Outra palavra que merece nossa atenção é efeminados. Ela é a tradução para a palavra malakos, que significa, literalmente, mole, macio, suave. Ela indica também a homossexualidade, o comportamento de homens que recebem afagos de outros homens, como se mulheres fossem.

Possivelmente, o uso destas duas palavras, juntas, queiram significar o homossexual passivo (malakos) e o homossexual ativo (arsenokoites). Seja como for, o homossexualismo é o que é condenado nesta passagem.

Tem um argumento que pode ser usado para condenar o sexo anal. O ânus, em si, é muito mais sensível do que as fortes paredes vaginais. A possibilidade de machucar é bem maior, ainda mais se não forem tomadas medidas simples de precaução e higiene. Uma passagem bíblica pode ser usada para exemplificar isto, que pode condenar o ato, mas de forma um tanto indireta. É esta:

1 Co 3.17 - Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.


Se por acaso a prática de sexo anal puder ser prejudicar o corpo da mulher ou do homem de alguma forma, estará, sim, profanando o corpo, que é o templo de Deus.

Em geral, se o ato é feito com cuidado, de comum acordo entre o casal, e não causar constrangimento para nenhum dos dois, não sendo também esta prática a única e obsessiva forma de fazer sexo, não há problemas.

Mas mesmo que a Bíblia não condene o sexo oral e o sexo anal, tudo deve passar pelo teste da consciência. Se a consciência lhe acusar, e você não ficar em paz com Deus, não faça.

Fantasias sexuais

Como foi escrito em postagem anterior, o sexo tem dois aspectos: mental e físico. Uma fantasia não passa do uso da mente como meio de excitação. Não há nenhum problema nisto. É bastante óbvio também que nem tudo o que nós pensamos é bom. Veja as outras postagens anteriores e a postagem sobre lascívia. Mas, como sempre, não deve o cristão ignorar a consciência cristã, e nem usar de outros recursos que venham a humilhar ou ferir o cônjuge.

Posições

A Bíblia não fala nada a respeito de posições corretas para o sexo. Nem de posições erradas. Portanto, o uso delas está limitado apenas pela criatividade e pela disposição física!

Locais

A Palavra de Deus nos orienta sempre a sermos discretos, sermos prudentes e respeitosos. Ninguém deveria fazer sexo em locais que causem escândalo, que possa ferir a consciência, ou ainda, que desobedeça a lei civil – uma rua, dentro de um carro, por exemplo, não é o lugar mais adequado para um casal cristão fazer sexo.

Quanto ao motel, é um lugar reservado. Se lá apenas for usado recursos que seriam lícitos à um cristão na sua própria casa, não há problema. O que pode não acontecer é usar das diversas formas de pornografia que o motel oferece. Excetuando isto, não há problema, a não ser por causa da consciência, novamente. Não é o lugar ou as coisas de lá que santifica ou demoniza, mas o uso ou não que se faz dele. A casa do cristão pode ser tão ou mais impura do que um quarto de motel. Quem faz a diferença é o crente!
Continue lendo